Giselle Sato
A inspiração é o encontro perfeito das palavras e a imaginação. Aventure-se.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Áudios

Solidão por opção ou imposição - Giselle Sato
Data: 25/04/2018
Créditos:
Gil Rios lendo a crônica de Giselle Sato
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Se pudesse classificar angústias urbanas, com certeza elegeria a tristeza do desamor como uma das piores e mais devastadoras de todas. Simplesmente ela acontece independente do local e da companhia, parece controverso, mas alguma vez na vida, caminhando à parte no meio da multidão esta sensação de estar flutuando no vazio bateu forte.
É como o casal silencioso que senta-se no sofá em frente à tv, cada qual perdido em seus pensamentos olhando o tempo passando lento, dolorosamente solitários, e ainda que se dêem as mãos, não estão juntos. Nunca estiveram tão sozinhos e sabem disso,mas temem o desfecho e nada dizem.
Ou a mãe que vê o filho sair todas as noites retornar na madrugada, remoendo as horas e contando os minutos. E quando finalmente ele retorna, chega alterado, virado do avesso, maltratado pelo vício e ainda por cima reclama da preocupação e falta de amor. Mas ela não se importa, dia após dia espera ansiosa escutar os passos tortos da cria sem prumo. E respira aliviada quando soa a batida da porta.

Há os que buscam nos bares companhia ainda que passageira, puxam assunto com qualquer um e em poucos minutos são parte de rodinhas de desconhecidos.
Alguns gostam de frequentar as filas do banco e das lotéricas, já reparou que sempre tem alguém disposto a trocar uma frase que seja? E eles são ávidos por atenção e companhia, na guerra por um bom papo vale perturbar a caixa do banco, do supermercado, da farmácia e deixar os que aguardam a vez furiosos.

Estar sozinho é inevitável e ainda assim é preciso encontrar o fio da meada e desenrolar este carretel intrincado, que começa na infância e nos acompanha até o final dos dias. Desatando os nós que formamos quando nos perdemos e damos mil voltas em círculo, teimosos em seguir adiante ignorando os sinais da vida que nos acena com o novo.


 
Enviado por GiselleSato em 23/04/2018

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários

A Pequena Bailarina
Assassinos S/A II
BECO DO CRIME
Meninas Malvadas
POETRIX
Trilhas da imensidão- Contos de Terro...
Site do Escritor criado por Recanto das Letras