Giselle Sato
A inspiração é o encontro perfeito das palavras e a imaginação. Aventure-se.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


 
Ontem assisti  A forma da água e O rei do show. Poderia ter sido  mais uma noite  de insônia,  mas tive momentos de rara  beleza e reflexão.
Apesar de serem gêneros diferentes, notei várias semelhanças na mensagem de ambos.  Trata-se de filmes com  forte impacto visual, onde nada é por acaso  e o ser humano foge da mesmice dos protagonistas de sempre. No final,  cada um decide o ponto de vista que se sente mais atraído, são tantas militâncias que o difícil é optar por apenas uma. 

Vamos começar pela A forma da água. Nossa  mocinha é muda,  pouco bonita, pouquíssimo mesmo. Ainda  assim tem um carisma apaixonante, leva uma vida ordinária,  de uma mesmice angustiante. Eliza é faxineira, a companheira  de trabalho  é negra; protetora, fiel e igualmente resignada. 
O único amigo de Eliza é um vizinho que passa a vida desenhando, um  artista desempregado.  Juntos assistem  musicais na televisão;  arriscam um  sapateado sentados no sofá e  comem  torta de limão siciliano. A confeitaria e o cinema do bairro merecem atenção, dizem muito sobre a sociedade em que os personagens transitam.  De um preconceito doloroso;  cenas ligeiras e diálogos curtos. 

A solidão de Eliza Esposito, nossa mocinha muda, é triste, tão triste quanto a masturbação cronometrada pelo temporizador. Sim, dia após dia durante o banho, ela se toca enquanto os ovos cozinham.  Eliza  prepara o lanche que leva para o trabalho em um centro militar secreto, o cardápio são ovos cozidos; e são com eles que ela conquista a criatura na água.  O filme é todo conectado, feito uma colcha de retalhos,  a trama é bem amarrada e  nada é aliatório. Para quem gosta de ligar pontos é um desafio, pouco a pouco vamos desvendando os segredos.
A riqueza de detalhes compõem uma história surreal, com direito a trilha musical muito doida, até Carmen Miranda faz parte. Tem espiões russos, amigas unidas pela adversidade, cientistas escrupulosos e todo tipo de gente. 

O  que me chamou atenção foi  o amor entre Eliza e a criatura da água, um ser estranho capturado nas profundezas de uma lagoa da América do Sul. Seria da Amazônia? Onde a forma, era considerada um Deus. Criatura ou  criaturas, que não se encaixavam no mundo convencional, que de alguma forma se apaixonaram, é muito inspirador. Vale a pena assistir, só para atiçar a curiosidade Eliza e a forma da água fazem sexo; e como fazem! São cenas lindas, que já valem o filme inteiro. Pura poesia.




O segundo filme, é com meu ator favorito, Hugh Jackman; adorável no papel de mestre de cerimônias de um circo de aberrações. O personagem pode não ter tido uma idéia politicamente correta, afinal a intenção era unir criaturas excêntricas em um espetáculo rentável. No decorrer da história nosso empresário acaba se afeiçoando e aprendendo a ter mais compaixão. Mas no finalzinho mesmo.
O elenco é talentoso, as canções atuais, e o personagem de Jackman realmente existiu. Foi pioneiro no ramo do circo nos Estados Unidos, nasceu pobre,  miserável, e usou as deformidades dos excluídos para montar uma troupe e ganhar notoriedade. Houve críticas, disseram que as canções eram fracas e a história inconsistente. Discordo, sou fã do eterno Wolverine em qualquer papel.

No mais, todos os dias vejo nas manchetes algo semelhante, o que comprova a teoria que muitas vezes a vida imita a arte. Neste momento estamos todos preocupados com exclusão social, violência, sustentabilidade; mas estes temas são recorrentes. O que torna a arte tão íntima, é a capacidade de traduzir a emoção, representar nossos desejos e sonhos. Por um instante fui Eliza bailando com a estranha forma de escamas azuis, a cantora barbada, a trapezista de cabelos rosa; fui um pouco cada personagem e renovei a inspiração.

Dois grandes momentos do cinema que apresentam a indiferença, o preconceito e a delicadeza dos rejeitados; e a completa intolerância que continua cada dia mais presente. Ainda é um fardo grande demais não ser igual à maioria; não ser ''normal'' ainda incomoda. 
Continuam jogando pedra, queimando e matando quem ousa ser diferente. Neste caso, é triste assistir a realidade repetindo o padrão da ficção apresentada. Espero que as mudanças aconteçam, que o ato de acolher não seja uma concessão.
Não é incrível a magia do cinema?  

GiselleSato
Enviado por GiselleSato em 28/11/2018
Alterado em 30/11/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

A Pequena Bailarina
Assassinos S/A II
BECO DO CRIME
Meninas Malvadas
POETRIX
Trilhas da imensidão- Contos de Terro...
Site do Escritor criado por Recanto das Letras