Giselle Sato
A inspiração é o encontro perfeito das palavras e a imaginação. Aventure-se.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


A situação do Rio de Janeiro é de calamidade pública, onde está o suporte dos órgãos públicos? O bairro do Jardim Botânico foi muito atingido, várias ruas destruídas; a impressão é que passou um terremoto pelo bairro. É lá que estão dois dos mais lindos parques da cidade, é um ponto turístico e deveria ser mais bem cuidado. Preservado.

O asfalto cedeu em diversos pontos da cidade, as pessoas estão horrorizadas com a devastação e sinceramente, não é apenas um episódio extremo. A cidade não tem infraestrutura para aguentar mais um temporal, os morros estão com as encostas com várias pedras ameaçando desabar, é grave a situação. Alguns bairros estão completamente acabados, a verdade é que nos habituamos a tomar atitudes quando acontecem esses desastres, não aprendemos que a responsabilidade é da prefeitura. Ontem as pessoas estavam desentupindo os bueiros com as mãos, naquela água contaminada porque não havia número suficiente de funcionários dos órgãos públicos para fazer o trabalho.

Os moradores do Rio de Janeiro está pagando muito caro por suas escolhas, escolhemos mal os nossos representante e estamos sentindo isso da pior forma. E as comunidades? Muito lixo acumulado pelas ruas, casas destruídas, pessoas sem saber para onde ir e para quem pedir ajuda. Imediatamente precisamos aprender a cuidar do nosso lixo, não jogar lixo nos rios, jogar nosso lixo nas caçambas, quando existem caçambas. É muito grave não fazer o óbvio. Todos deveriam saber onde descartar o lixo, todos deveriam saber como separar o lixo para reciclagem, mas a verdade é que não sabem. É ensinar que se o vizinho joga lixo no rio, quando chover o rio vai entupir e alagar a casa de toda comunidade.

O que é estado de alerta? O que é estado de atenção? A população não sabe.

 
E os hospitais? Se já não é bom em dia normal, imagine em situação de atenção!
Podemos imaginar que muitas pessoas não conseguiram ir trabalhar, menos médicos, técnicos e enfermeiros.

E o que acontece em caso de emergência?
Só emergência extrema, evite as ruas porque a água pode estar contaminada pela urina de rato e outras doenças. 🔖

O que podemos fazer em estado de risco?

. Existem protocolos a seguir?

. Precisamos aprender a lidar com essas situações, para quem posso pedir ajuda, qual é o número?

.O que eu posso fazer para ajudar?
Usar as redes sociais para divulgar campanhas, números e chamar atenção. Redes sociais não servem apenas para postar self. 

.Reagir como for possível, cada um faz o que pode da melhor forma possível. Já é alguma coisa,  precisamos parar de ser tão passivos. 

Agora estamos falando de emergência, a chuva não cessa e existem carros submersos, casas alagadas, não podemos sair de casa e as águas estão subindo.
Tem muito morador de rua, tem muita criança com fome porque hoje não vai ter escola, tem doentes sem socorro, tem gente que perdeu tudo, pessoas desaparecidas, áreas com risco de desabamento, carros submersos… tem uma população precisando de socorro.

Estamos órfãos, a sensação de abandono é imensa.

Sofro sim, amo minha cidade e estou devastada com a destruição e o sofrimento do povo.


#dorcrônica#mindfulnessedorcronica#convivendocomadorcronicas#compaixão#todospelosraros#inclusão #corposemdialogo #cnv#comunicacaosensivel #contato #meditacao #insightdialogue#coresponsabilizacao

GiselleSato
Enviado por GiselleSato em 09/04/2019
Alterado em 09/04/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

A Pequena Bailarina
Assassinos S/A II
BECO DO CRIME
Meninas Malvadas
POETRIX
Trilhas da imensidão- Contos de Terro...
Site do Escritor criado por Recanto das Letras